quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Explosões e mais explosões

Ando ocupada com questões da minha existência. Não que eu esteja enlouquecendo. Talvez, mudando. Aprendi logo cedo que toda mudança na vida vem de algum sofrimento. Não me recordo de algum sofrimento significante recente - ou seja, sem motivos para mudanças internas. Ou não. De fato, estou mudando, mas nada tem a ver com sofrimento. São fatos inerentes à fisiologia da reprodução humana. Explosões, por exemplo. Da mais corriqueira, aquela explosão de prazer no sexo com a pessoa amada e as explosões emocionais da mulher que cicla todo mês, à mais bela de todas: explosões hormonais de uma mulher grávida. Sim, se o facebook tivesse status para pós casamento, estilo bodas, o meu seria grávida. Minha médica, ginecologista e obstetra de anos, acha que a ficha não caiu para mim. Ou melhor, para nós. O Ju, ao menos, se não caiu a ficha, despencou no livro “O que esperar quando você está esperando”, um clássico que tem um capítulo intitulado “O homem também engravida” (juro!). O que acontece é que a cada dia mudo, de verdade. Quando não estou morrendo de fome, estou morrendo de sono. Penso que deveria estar comendo algo saudável, aí dá aquela cólica estranha e os seios doem dez vezes mais do que na TPM, manja? Mas, o interessante mesmo é o lugar que mais tenho freqüentado nos últimos dias, o banheiro. Porque, Cris, seu útero está crescendo e ele pressiona a bexiga, que toda hora pede mais água, tem de tomar água; hormônios estão sendo produzidos na velocidade da luz, blá-blá-blá. E, eu não vejo a hora de ver essa semente de papoula, que muda para algo parecido com o girino, que já tem coração!! Sim, coração para bombear o sangue e formar o corpo. Mais explosões...